28.12.16

Já é Carnaval desde novembro...

...quando decidi e fui atrás do que precisava pra enfim desfilar por uma escola de samba grande num carnaval grande, sonho desde moleque.

Tá tudo caminhando pra dar certo e, na madrugada de sábado 25 para domingo 26 de fevereiro próximo, eu estar no meio dos milhares de componentes da Vai Vai, maior campeã da elite do carnaval paulistano.

Desde o primeiro ensaio, em frente à quadra da agremiação no Bixiga (formalmente conhecido como Bela Vista), a música que a gente mais canta por lá (e eu venho cantando comigo mesmo toda semana) é o samba-enredo, claro, que podemos ouvir no vídeo abaixo:


O título do enredo é "No xirê do Anhembi, a Oxum mais bonita surgiu: Menininha, Mãe da Bahia - Ialorixá do Brasil", homenageando uma das mães-de-santo mais populares do candomblé brasileiro (veja a letra e as fantasias das alas no site oficial da Saracura), Mãe Menininha do Gantois.

Torça por nós, pois melhor que um desfile serão dois, o segundo entre as escolas campeãs do sambódromo do Anhembi, na sexta, 3 de março!

27.12.16

10 anos de vida

27 de dezembro de 2006 marcou o nascimento deste blog, acredita?

Foi com este post, explicando o porquê do blog e de seu nome frasístico: http://naotevejeito.blogspot.com.br/2006/12/certas-coisas-na-vida-no-temos-como_27.html

Quanta coisa mudou e mudamos de lá pra cá! Ainda não era paulistano de vez, o que vai completar 10 anos em breve.

Ainda mudava de namoradas quando não dava certo, antes de casar e até me separar. 

Ainda iria para os dois empregos mais duradouros da minha carreira até hoje. Felizmente, sem ter de deixar a comunicação.

Ainda não sentira na pele o que era ser padrinho de uma criança e tio de um filhote quase gente como a gente. 

Vivia na fase de muitas festas de formatura e depois viriam muitas de casamento. Tenho saudades dessas festas, uma pena elas irem escassando conforme envelhecemos, ainda mais para espíritos jovens e farristas e sarristas como o meu (Quanto a me formar e casar, foi bom mas hoje não prevejo repetecos).

Ainda não sabia como era morar sozinho na minha casa. Como isso é bom!

Não tive ainda a oportunidade da paternidade de seres humanos, como parecia previsível. Ok, não me frustrou. E se não tiver pro resto do meus dias terrenos, a vida não há de ser menos bela e completa, porque isso só depende de mim.

Ainda não conhecia o Cursinho Laudelina da Rede Emancipa. Até porque na verdade eles ainda não existiam. A Rede vai pra 10 anos, o Lauds 7!

Ainda não tinha tantos fios grisalhos entre a pretaiada que (ainda) domina meu couro capilar. Isso não é um problema atualmente. Mesmo porque os desconhecidos continuam me dando 24, 25, às vezes 30 anos de idade à primeira vista (inocentes, já vivi 34!). 

Ainda não havia redes sociais, que roubaram considerável importância e tempo na rotina de quem tinha blog. Tanto que alguns os largaram. Mas eu torço pra mais 10 anos deste. Que venha 27 de dezembro de 2026 neste mesmo local então! 

25.12.16

Hit das Antigas: La Solitudine, Laura Pausini

Lançada em 1993!

Como é bonito o idioma italiano, ainda mais nessa suave voz! Por mais triste que seja a canção, não enjoa entoá-la.



Marco se n'è andato e non ritorna più
Il treno delle 7:30 senza lui
È un cuore di metallo senza l'anima
Nel freddo del mattino grigio di città

A scuola il banco è vuoto, Marco è dentro me
È dolce il suo respiro fra i pensieri miei
Distanze enormi sembrano dividerci
Ma il cuore batte forte dentro me

Chissà se tu mi penserai
Se con i tuoi non parli mai
Se ti nascondi come me
Sfuggi gli sguardi e te ne stai

Rinchiuso in camera e non vuoi, mangiare
Stringi forte al te, il cuscino e
Piangi non lo sai, quanto altro male ti farà, la solitudine

Marco nel mio diario ho una fotografia
Hai gli occhi di bambino un poco timido
La stringo forte al cuore e sento che ci sei
Fra i compiti d'inglese e matematica

Tuo padre e suoi consigli che monotonia
Lui con i suoi lavoro ti ha portato via
Di certo il tuo parere non l'ha chiesto mai
Ha detto un giorno tu mi capirai

Chissà se tu mi penserai
Se con gli amici parlerai
Per non soffrire più per me
Ma non è facile lo sai

A scuola non ne posso più
E i pomeriggi senza te
Studiare è inutile tutte le idee si affollano su te

Non è possibile dividere la vita di noi due
Ti prego aspettami amore mio ma illuderti non so!

La solitudine fra noi
Questo silenzio dentro me
È l'inquietudine di vivere
La vita senza te

Ti prego aspettami perché
Non posso stare senza te
No n è possibile dividere la storia di noi due

La solitudine fra noi
Questo silenzio dentro me
È l'inquietudine di vivere
La vita senza te

Ti prego aspettami perché
Non posso stare senza te
No n è possibile dividere la storia di noi due
La solitudine...

Tradução:

Marco foi embora e não volta mais
O trem das 7h30 sem ele
É um coração de metal sem alma
No frio da manhã cinza da cidade

Na escola, o banco vazio, Marco está dentro de mim
É doce sua respiração entre meus pensamentos
Enormes distâncias parecem nos dividir
Mas o coração bate forte dentro de mim

Quem sabe se você pensará em mim
Se com seus pais não fala mais
Se você se esconde como eu
Escapa dos olhares e está distante

Confinado no quarto, você não quer comer
Você abraça forte o travesseiro
Chora sem saber quanto outro mal te fará a solidão

Marco em meu diário numa fotografia
Você tem olhos de um menino um pouco tímido
Aperto-a no coração e eu sinto que você está lá
Entre as tarefas de inglês e matemática

Seu pai e seus conselhos, aquela monotonia
Ele com o seu trabalho o irritou
Certamente não perguntou a sua opinião
Disse "um dia você me entenderá"

Quem sabe se você pensará em mim
Se com os amigos falará
Para que não sofra mais por mim
Mas não é fácil, eu sei

Na escola, não posso mais
E as tardes sem você
Estudar é inútil, todas as ideias se concentram em você

Não é possível dividir a vida de nós dois
Suplico-lhe: espere-me, meu amor
Mas te iludir não sei

A solidão entre nós
Este silêncio dentro de mim
E a inquietude de viver a vida sem você

Eu lhe peço: espere-me, porque
Eu não posso ficar sem você
Não é possível dividir a história de nós dois

A solidão entre nós
Este silêncio dentro de mim
E a inquietude de viver a vida sem você
Eu lhe peço: espere-me, porque
Eu não posso ficar sem você
Não é possível dividir a história de nós dois
A solidão...

1.12.16

Sobre a dor da tragédia com a Chapecoense

Post de hoje no meu outro blog, esse temático, sobre o mundo do futebol, hospedado no Portal iG:

Luto mundial no futebol #forçachape

Minha seleção do Brasileirão

Convidado, junto com milhares de jornalistas brasileiros, a votar nos melhores por posição do atual Campeonato Brasileiro de futebol, da Série A, eis os meus 11 na imagem abaixo, além de melhor treinador, treinador revelação, revelação e craque (clique sobre ela para ampliá-la e conseguir ler :P)

Espie e fique à vontade para dizer o que acha, discorda, concorda, acha mais justo, etc...


ps: aos que desconhecem, Alexis Stival é o popular Cuca

21.11.16

Na home da Rede Emancipa!

Ó o alegre com as mãos levantadas na foto maior... soy jo! :P



Seguimos militando no Cursinho Popular Laudelina de Campos Melo!

7.11.16

Menção em revista acadêmica

Fui citado pelo saudoso professor Edvaldo Pereira Lima no artigo “O jornalismo literário e a academia no Brasil: fragmentos de uma história”, publicado recentemente pela Revista Famecos, da PUC-RS.

Ed conta a história do ensino de jornalismo literário no país, bastante recente mas já rica, e da qual me orgulho de ter participado, como um dos primeiros alunos de pós-graduação na área.

O artigo pode ser acessado e lido na íntegra clicando aqui. Apareço no primeiro parágrafo da página 13 :P

Vida longa ao JL!

3.11.16

Hit das Antigas: Nos lençóis desse reggae, Zélia Duncan

Ah, grande Zélia! (na altura, na voz, na presença, no espírito, na inteligência).

Essa é uma das várias músicas que eu curto desse grande nome da MPB contemporânea (comprei o CD na época e ainda o tenho). 1994 (saudades!). Vibe muito boa!



Flash de viagem

Vontade de cantar um reggae

Dono do impulso

Que empurra o coração

E o coração pra vida.

E a vida é de morte

Minha única sorte

Seria de ter esse reggae

Vontade de fazê-lo

No meio da fumaça verde

Não me negue

Só me reggae

Só me toque quando eu pedir

Senão pode

Ferir o dia

Todo cinza

Que eu trouxe pra nós dois.

Nos lençóis desse reggae

Passagem pra Marrakesh

Dono do impulso que empurra

O coração e o coração pra vida.

Não me negue

Só me reggae

Só me esfregue quando eu pedir

E eu peço sim!

Senão pode

Ferir o dia

Todo cinza

Que eu trouxe pra nós dois.

Nos lençóis desse reggae...

Nos lençóis desse reggae

Oh oh yeah... yeah... yeah...


-> Veja os demais Hits das Antigas que já postei clicando aqui